terça-feira, 30 de junho de 2009

Proibido pedir


Os meus pais ensinaram-me desde tenra idade que sempre que saísse com eles para um passeio ou os acompanhasse numa visita a casa de um familiar ou amigo, nunca, mas nunca, poderia fazer pedidos de coisas que visse, como os brinquedos que olhavam para mim nas montras das lojas por onde passávamos ou os chupas e os sugus que me acenavam e faziam crescer água na boca, ou aquelas bolachas e bananas que a tia tinha em casa. Estava proibida de pedir aos meus pais ou a estranhos o que quer que fosse, por isso, sempre que íamos passear só podia olhar e imaginar como me sentiria se tivesse acesso ao que gostaria de ter, ou como ficaria contente se tivesse aquilo que a minha prima tinha acabado de conseguir da minha tia depois de ter feito uma grande birra.


O tempo foi passando e fui-me habituando a nada pedir, as coisas que antes me deixavam a sonhar passaram a ser indiferentes, tinha construído uma arma para me defender da imensa frustração que sentia por ter que reprimir a minha vontade de pedir. Ainda hoje essa indiferença salta de vez em quando e as dificuldades em pedir o que quer que seja mantêm-se.

6 comentários:

  1. Olá!

    A blogagem da Aldeia da Minha Vida foi um grande sucesso, graças à sua participação e divulgação.

    Convido-o(a) a participar na próxima blogagem de Julho “ Férias na Minha Terra”.

    É uma oportunidade única para demonstrar a todos que vale a pena passar férias no nosso país, especialmente na nossa querida terra, seja ela aldeia, vila ou cidade.

    Inscreva-se e mande o seu texto até 7 de Julho para o seguinte e-mail: aminhaldeia@sapo.pt

    Para premiar a sua participação, vamos atribuir ao melhor post um fantástico prémio e ao melhor comentário também.

    Muito obrigado pela sua atenção!

    Votos de um feliz dia!

    Susana Falhas

    ResponderEliminar
  2. A minha avó dizia o mesmo mas acrescentava uma pequena e terrível nuance: se nos oferecessem alguma coisa só poderíamos aceitar depois de insistirem três vezes... escusado será dizer que a terceira insistência quase nunca chegava a acontecer. O resultado é que hoje sempre que me oferecem alguma coisa aceito de imediato... seria este o resultado pretendido pela minha avó?

    * estou aqui a fazer uma lista das coisas que me pediste desde que nos conhecemos... espera aí que já vais ver a pedinchona que tu és... :-)

    ResponderEliminar
  3. Uma lista de pedinchices? Quero ver isso

    ResponderEliminar
  4. Graças a Deus (isto do divino deve ser hereditário...eheheh) deixaste de ter o hábito de pedir "trincas" da comida da maninha..eheheh

    ResponderEliminar
  5. Trincas? Quando é que te pedia trincas? Devia ser de alguma coisa que gostavas muito, era para te irritar e comeres menos.

    ResponderEliminar